“Quando eu for rica falo com você. Não tenho dinheiro o suficiente”

“Se eu conhecer alguém que precisa, eu te aviso”

Essas são as frases mais comuns que escuto ao dizer que sou planejadora financeira. Afinal, essa é a primeira imagem que as pessoas têm em mente quando ouvem falar dessa profissão, que é tão recente no Brasil.

Essas afirmações não estão totalmente incorretas, já que pessoas dotadas de fortuna sempre tiveram acesso ao planejamento financeiro, seja por meio de atendimento exclusivo nas instituições financeiras com quem mantêm relacionamento, seja por meio de casas especializadas, os chamados family offices.

O outro lado também é verdadeiro, já que a mídia sempre divulga os mutirões para ajudar a organizar as finanças de pessoas que estão com a corda no pescoço. Uma iniciativa interessante nessa direção é o programa voltado para superendividados do Procon.

E COMO FICA QUEM NÃO ESTÁ NEM TÃO AO CÉU E NEM TÃO À TERRA?

Mas o que acontece com quem não está nem tão ao céu e nem tão à terra? Bom, com essas pessoas, que um dia fui eu e hoje pode ser você, a novela é sempre a mesma.

A gerente do banco liga oferecendo capitalização, previdência, às vezes pedindo quase como um favor pessoal pelos “anos de relacionamento”, ou barganhando um desconto na mensalidade se você aplicar suas economias no fundo x ou y. Às vezes nem liga e você vai sozinho pesquisar o que fazer.

Essa gerente está fazendo o trabalho dela, é claro, e longe de mim demonizar o que ela faz, já que conheci várias, inclusive nos cursos de planejamento que frequentei.

O que importa aqui não é julgar, mas é lembrar que uma profissional dessa está fazendo o trabalho dela para o banco ou corretora a qual está vinculada – mas não para você, para atender somente aos seus interesses.

CUIDADO COM O ‘ALMOÇO GRÁTIS’

Encontrar alguém que te ajude a transformar sua vida financeira positivamente e de graça será impossível. Não existe almoço grátis mesmo. E quem tenta provar isso acaba tendo uma indigestão no final.

E é aí que entra o trabalho do planejador financeiro, que pode cobrar uma mensalidade, um valor fechado ou um determinado percentual do seu patrimônio sob gestão por um serviço completo.

O planejamento completo que eu faço, por exemplo, inclui uma avaliação do seu perfil de comportamento para que cada solução seja adaptada a você.

Então, sob medida, ajudo o cliente a gastar menos ao fazer uma completa revisão do orçamento (e isso também é um ganho), a economizar e ao mesmo tempo escolher os seguros que realmente fazem sentido para a pessoa, a tornar mais eficiente o pagamento de impostos, a adotar estratégias que otimizam a sucessão familiar e – claro – a investir os recursos da melhor maneira possível, para os projetos de hoje, de amanhã e da independência financeira/aposentadoria.

É como se você tivesse acesso a um nutricionista, academia e terapeuta ao mesmo tempo, cuidando de você como um todo, mas no caso tudo que envolve sua vida financeira, por um valor único.

O QUE É MUITO PARA VOCÊ?

Precisa ter muito dinheiro para fazer isso?

Na minha sincera opinião? Não. Até por que você já deve ter pago por esses serviços que mencionei acima em algum momento de sua vida. Ou ainda vai pagar.

Mas o que é muito para mim pode ser pouco para você. Por isso, antes de dizer alguma das frases do começo desse artigo, faça uma cotação. Essa é grátis e não provoca indigestão.